ABCIBER | Simpósios, II Encontro Regional Centro-Sul da ABCiber

Tamanho da fonte: 
JORNALISTAS LIVRES E COMUNICAÇÃO EM REDE: UMA ALTERNATIVA A IMPRENSA HEGEMÔNICA NA COBERTURA DO GOLPE DE 2016 NO BRASIL
Larissa Gould de Assis

Última alteração: 2019-03-25

Resumo


Coletivos de comunicação e veículos de mídia alternativa e independente, se organizaram de forma colaborativa para fazer a cobertura do processo de golpe do Brasil, de abril a agosto de 2016. Potencializados pela internet, estes grupos se articularam de forma colaborativa, criando redes que extrapolaram os meios digitais e construindo uma nova narrativa em contraponto àquela hegemônica da imprensa corporativa. Para tanto, será feito um estudo da comunicação comunitária, popular e alternativa e utilizando como objeto a Rede Jornalistas Livres, rede de coletivos, movimentos sociais e jornalistas independentes que nasceu em março de 2015, fruto da organização destes grupos, através de meios alternativos à mídia convencional, para reivindicarem seu espaço social e político. Também será analisado a participação das mídias sociais, em especial do twitter e do facebook, e dos mídia-ativistas, como a disputa narrativa foi feita nesses espaços e a importância das redes digitais no processo do golpe parlamentar-jurídico-midiático

Palavras-chave


Comunicação, Redes, Jornalistas Livres, Golpe e Ativismo